Saúde

Como Funciona a Escleroterapia?

escleroterapia-derrames-nas-pernas

Escleroterapia: para acabar com Derrames nas Pernas

Você tem esclerose? Se sim, é bem provável que procure por algum tipo de tratamento que possa amenizar as dores e os demais problemas dessa doença. Algumas pessoas apenas têm esperança na cirurgia, mas será mesmo que essa é a única forma de tratar?

A verdade é que, à medida que o tempo passa, a medicina tem tido grandes avanços. Por conta disso, novas técnicas têm surgido, a fim de melhorar a qualidade de vida dos pacientes. E, dentre esses métodos, podemos citar a escleroterapia. Mas o que é isso?

Em suma, nada mais é que um tratamento que visa eliminar ou diminuir as veias. Por isso, indica-se bastante para fins estéticos ou mesmo para quando há algum risco para a saúde da pessoa. Em virtude disso, muitos têm procurado clínica dermatológica em Goiânia, a fim de obter tal tratamento.

Apenas o médico angiologista ou dermatologista é o profissional capacitado para fazer esse procedimento. Pessoas que querem tratar varizes ou alguns vasos da pele podem se beneficiar e muito desse tratamento.

E o melhor de tudo é que ele não é algo agressivo e, na grande maioria das vezes, o paciente já sente uma melhora na hora. No entanto, é normal que você tenha algumas dúvidas a respeito desse assunto, em especial se é algo do qual você nunca nem sequer ouviu falar.

Como é feito esse procedimento? Quem pode fazer? Quantas sessões são necessárias para obter melhora? Trata-se de algo seguro? Devo tomar alguns cuidados, após a aplicação? Para que você se sinta mais seguro, deve-se ter clareza sobre todas essas dúvidas.

Por isso, se você quer aprender mais sobre esse assunto, é só conferir os tópicos seguintes. Sem mais delongas, vamos ao que importa!

O que é esclerose?

É bem possível que você já tenha ouvido falar desse termo, mas será mesmo que compreende da forma mais adequada? A verdade é que, de acordo com pesquisa divulgada pelo Ibope, quase 70% da população brasileira não entende da forma correta o que é o problema.

De forma um tanto resumida e clara, trata-se de um termo médico, o qual visa definir o aumento de tecido conjuntivo e enrijecimento do órgão. Dentre as causas mais comuns, a idade avançada com certeza é a principal delas, mas não a única.

Na verdade, inflamação e doenças autoimunes, que levam à perda de elasticidade do tecido, também podem levar a alguma forma de esclerose. Além do mais, deve-se entender que há diferentes tipos de esclerose, sendo as principais:

  • Esclerose Múltipla (EM): nesse caso, trata-se de uma doença autoimune, crônica e progressiva. Nada mais é quando as células de defesa atacam o próprio sistema nervoso. Ou seja, causa lesão tanto no cérebro quanto na medula;
  • Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA): é uma doença neurodegenerativa. Por isso, os neurônios que têm por função o movimento dos músculos, são destruídos, podendo ocasionar em paralisia do rosto, pernas e braços.

Vale salientar que a cirurgia no ombro, devido a esclerose, pode ser uma das opções de tratamento, a depender do quão grave é o problema.

O que é a Escleroterapia?

Em suma, trata-se de um tratamento que visa aplicar algumas substâncias, as quais podem ser espuma ou glicose. No entanto, em alguns casos, pode-se fazer isso com laser, direto nos vasos. Ao fazer isso, contribui com que a circulação sanguínea se redirecione.

Ou seja, por consequência tende a eliminar tanto as varizes quanto os vasinhos. E, assim que o paciente passa por isso, a veia pode sumir em algumas semanas ou, no máximo, em até um mês. No entanto, esse procedimento serve para outros problemas.

Hemorróidas, hidrocele ou veias dilatadas, por exemplo, também podem se beneficiar, ainda que seja um pouco mais raro. Muitos ainda conhecem esse tratamento como “secagem de derrames”, haja vista que proporciona tal resultado.

Além do mais, essa técnica nada mais é que a injeção de algum líquido, o qual irá ocasionar um colapso do vaso. Então, a partir do momento que os vasos param de ter circulação, as veias que estão colapsadas desaparecem. Dessa forma, há um ganho tanto estético quanto para a saúde.

Tratamento de Escleroterapia

Se você está pensando em fazer esse tratamento, é bem provável que esteja com uma série de dúvidas. Mas, a primeira coisa que você deve entender sobre o assunto é a necessidade de procurar por um profissional adequado para fazer esse tratamento.

Assim como quando você está com alguma dor no joelho, você procura por um ortopedista especialista em cirurgia no joelho, aqui não é diferente. Ademais, o paciente não precisa de qualquer preparação prévia, como ficar em jejum ou coisa semelhante.

Na verdade, o tratamento é feito no consultório, com uma agulha bem fina e que não causa dor. Primeiro, o profissional deve desinfetar a área do qual pretende tratar. Em seguida, basta aplicar a solução, percorrendo os vasos a serem tratados.

No entanto, é interessante que você saiba que há dois tipos de escleroterapia. São elas:

  1. Escleroterapia líquida: esse é o procedimento mais comum para eliminar as telangiectasias. Isto é, raios ou derrames das pernas;
  2. Escleroterapia com espuma: nessa técnica, é preciso injetar uma espuma, a qual é o resultado da mistura do esclerosante com ar. É mais comum para tratar varizes calibrosas, em especial quando se tem o intuito de evitar a cirurgia.

Mas então qual é o melhor tratamento? Na verdade, isso vai depender de acordo com a condição do paciente. O mais eficaz vai depender de algumas questões e, por isso, pode-se até usar os dois tipos, de forma complementar

Fora isso, o número de injeções vai depender do tipo e do número de vasos que têm de ser tratados.

Você vai gostar também: Empresas de ambulâncias no rio de janeiro

Existe contraindicação?

No geral, esse é um tratamento bem democrático, uma vez que ele não possui tanta contraindicação. Apenas pessoas que possuem algum tipo de alergia ao líquido é que devem se manter distantes desse tratamento. Fora isso, não é indicado durante a gravidez.

Como é o procedimento?

Na grande maioria das vezes, as sessões tendem a durar de 20 a 30 minutos. No entanto, esse tempo pode variar de acordo com a quantidade de vasos que se pretende tratar. Além do mais, deve-se fazer em um consultório.

Pós-tratamento

Para que o paciente sinta os efeitos positivos mais rápido, o ideal é que ele se alinhe com outros cuidados, como alguma atividade física ou fisioterapia. Fora isso, ao passar pelo tratamento, não é preciso ficar em repouso. Pode-se voltar às atividades de imediato.

Contudo, o ideal é que o paciente use uma meia elástica durante 2 a 3 dias após cada sessão. E, nos próximos 15 dias, o melhor a se fazer é evitar exposição solar ou qualquer outro tipo de calor direto, como depilação a laser, banho turco ou sauna.

Além do mais, é normal que o paciente tenha inchaço local, equimose, ardor, vermelhidão, hiperpigmentação etc. Entretanto, na grande maioria dos casos, são efeitos que não tendem a durar tanto assim.

Perguntas Frequentes sobre Escleroterapia

Quantas sessões de escleroterapia são necessárias para tratar os derrames?

Depende de cada caso. Às vezes, uma sessão é o suficiente. Mas, na grande maioria dos casos, é necessário de 3 a 6 sessões.

A escleroterapia é uma técnica dolorosa?

Não. Como se usa uma agulha fina, trata-se de um procedimento indolor. Apenas alguns pacientes sentem um ligeiro desconforto na injeção. Mas, fora isso, a dor é quase imperceptível.

É um procedimento seguro?

É um procedimento simples e seguro. Contudo, como é um tanto invasivo, há alguns efeitos colaterais que podem vir a acontecer, como ardor, hematoma ou pequenas manchas acastanhadas.